Arquivo | novembro, 2008

Especial: Machado de Assis

30 nov

Como neste ano de 2008 completou – se 100 anos de morte do nosso maior expoente da literatura brasileira Joaquim Maria Machado de Assis ou apenas Machado de Assis, Reuni alguns artigos sobre esse [Bruxo “como ficou conheçido”] autor segue abaixo os artigos e as fontes.:

Machado de assis o maior expoente de nossa literatura brasileira

Machado de assis o maior expoente de nossa literatura brasileira

Em comemoração ao centenário, a Fundação Casa Rui Barbosa, do Ministério da Cultura, criou uma página eletrônica especial sobre o escritor – www.machadodeassis.net . Produzida por pesquisadores e bolsistas de iniciação científica, o site traz desde a biografia de Machado até artigos, citações, alusões a fatos históricos ou a personagens, entre diversos outros atrativos aos amantes da literatura machadiana.

Mais sobre o escritor

Joaquim Maria Machado de Assis, nascido em 21 de junho 1839, acumulou vários atributos durante sua jornada: cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta. Não é exagero considerá-lo o maior expoente da literatura brasileira. Mas tudo isso com muito esforço.

Se existem provas de que força de vontade, interesse e amor ao conhecimento são aliados para o grande sucesso, Machado de Assis se encontra entre elas. Entre os 6 e 14 anos perdeu a irmã e a mãe e, um pouco mais tarde, seu pai, sendo criado pela madrasta desde então. Além disso, o escritor era pobre, de saúde frágil, epilético, mulato e gago. Enfrentou uma infância recheada de muitos preconceitos devido as suas condições.

Porém, autodidata, tinha grande interesse em todos os tipos de literatura. Leu muitos autores nacionais e estrangeiros, estudando por conta própria e, quando podia, freqüentava a escola. Sua carreira começou aos 16 anos, quando teve seu primeiro poema publicado no jornal “A Marmota”, vindo a participar daí para frente de diversas atividades relacionadas à comunicação, como tipografia, jornais, entre outros.

Se atualmente viver somente de literatura já é difícil, naquela época era bem mais complicado. Vivendo nessa vida paralela, Machado atuou também em cargos burocráticos, como assistente de diretor do Diário Oficial.

Machado participou da fundação da Academia Brasileira de Letras, na qual ocupou a cadeira nº23, cujo patrono foi José de Alencar. Lá presidiu até sua morte, em 29 de setembro de 1908. Atualmente, o prédio tem o nome “Casa de Machado de Assis”, em sua homenagem.

Obras

A loucura, a alma feminina, a vaidade, a sedução e o adultério são temas bastante encontrados em suas obras. Em sua fase mais romântica, Machado publicou obras como “A Ressurreição”, “A mão e a luva” e “Helena”. Mas o grande marco em suas obras foi a criação do romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, considerado uma verdadeira revolução em termos de estilo e conteúdo, inserindo o realismo no Brasil. Atraiu críticas de todos os lados.

Em sua fase realista, Machado publicou também obras como “Quincas Borba” e “Dom Casmurro”, contos como “Papéis Avulsos”, “Histórias sem data” e muitos outros.

Retratou como ninguém uma profunda reflexão sobre a sociedade brasileira e suas malesas e a própria existência humana, com seu espírito crítico, irônico e, por vezes, bem humorado.

Fonte: IG

Uma coisa que achei muito interessante (infelizmente) é o fato de que o público leitor de Machado de Assis é sempre o mesmo grupo de pessoas: “as que são obrigadas a comprar o livro para estudos e trabalhos de escola, faculdade e etc…”:

Quem lê Machado

O perfil do leitor de Machado continua inalterado há tempos. O estudante obrigado a ler os clássicos para a escola ou vestibular é quem mais compra do autor. Fora ele, apenas quem percebe a importância de ler e reler os clássicos. Para o gerente de livros da livraria Da Conde, Adriano Kneipp, a facilidade em traduzir livros estrangeiros é responsável pela preferência do consumidor pelos lançamentos internacionais. Uma pena, afinal, ler Machado de Assis é “essencial para entender a alma brasileira no momento da virada de século”. Logo é importante para todo brasileiro.

Releituras e novas coletâneas vêm saciar a fome do consumidor por lançamentos. Entretanto, a grande responsável por levar Machado ao grande público é uma parceria firmada entre a ABL e o Ministério da Cultura. Todos os livros do autor serão publicados por preços populares, entre três e cinco reais. Assim vai ficar fácil, e barato, conhecer melhor o nosso eterno Bruxo do Cosme Velho e, por consequência, a alma brasileira e a língua portuguesa.


Fonte: Overmundo

ps: eu recorri as fontes e as indiquei mas todas estão com meu comentário pessoal.

O que é design gráfico?

29 nov

design é vida

design é vida

Falamos tanto de design isso, design aquilo…mas afinal de contas, o que é design gráfico? É fazer logos? É saber mexer no Photoshop? É ser artista? Sim, e não. Abaixo, definições de fontes diferentes do que vêm a ser – exatamente – design gráfico (temos até vídeos! Rá!).

Design é vida “Design gráfico é o processo de comunicar visualmente utilizando textos e imagens para apresentar informações. A prática de design gráfico involve um espectro de habilidades cognitivas, estéticas e habilidades em tipografia, artes visuais e diagramação de páginas. Como outras formas de design, design gráfico geralmente se refere aos processos (designing) pelas quais a comunicação é criada e produtos (designs) que são gerados.”
(Wikipedia – Graphic Design)

“Design gráfico existe desde que o homem começou a fazer pinturas em cavernas; primeiramente em paredes de pedra ou terra seca, e hoje globalmente na World Wide Web. Designers gráficos trabalham fazendo design de impressos, formas visuais de informação ambiental (sistemas de sinais) ou eletrônicos, trabalhos de propaganda, publicação ou até websites. Tudo isso é conseguido através da administração de habilidades e entendimento de tipografia, cores, imagens e sons para se criar soluções visuais a problemas de comunicação.”
(About.com – O que é um designer gráfico)

“Um designer gráfico trabalha num escritório muito louco, com um laptop numa mão e uma raquete de ping-pong na outra. Aham – isso seria o que você veria na TV. Na realidade, um designer gráfico trabalha para um bando de diferentes empresas, organizações e humanóides que chamamos de clientes. Cada um destes mencionados precisam comunicar uma certa mensagem a certas pessoas que chamamos de audiência-alvo (nada de dardos involvidos).
Designer gráficos fornecem essas soluções criando coisas visuais, como pôsteres, logos, capas de livros entre outros. Mas como a tecnologia muda sempre, muda também as “coisas” que os designers gráficos criam. Hoje em dia, designers gráficos também estão criando websites, animações (por exemplo, títulos de shows da TV) e muito mais. Céus, até o termo designer “gráfico” está ficando obsoleto por causa de novas tecnologias.”
(O que nos céus é design gráfico?)

“Design gráfico é qualquer forma de representação visual artística”
(Motto.com)

“Design gráfico é o uso de elementos gráficos e tipográficos para comunicar uma idéia ou conceito”
(Graphicsquote.com)

“Design gráfico é uma forma de comunicação onde os designers usam imagens, tipografia e diagramação de páginas para promover uma mensagem.
O trabalho de design gráfico assombra você nos seus sonhos e forçadamente rouba do seu corpo nutrientes importantes. Sua energia então se transforma em linhas, formas, texturas, cores transformando-os em lindas obras-de-arte.
Tudo se resume em iluminar milhões de pessoas com informações apelativas.
Se você quer descobrir o que realmente é design gráfico, tente olhar diretamente em direção ao sol e quando você perder sua visão, você terá sua resposta.”

“Design gráfico é pesquisa, análise, comunicação, visual, planejamento, conceito, tipografia, solução.”

Em resumo, um designer gráfico precisa ser interdisciplinar: precisamos saber de tudo, desde como que é feito o papel até como que o hambúrguer é preparado. Mesmo. Um designer gráfico pode trabalhar em todas as áreas portanto têm que ter uma noção de todas estas áreas. Um designer ignorante é como um economista que não sabe contar.

O trabalho de um designer gráfico se resume em resolver problemas de comunicação: é informar algo de forma inteligível a um certo público utilizando-se de imagens, tipos, cores, etc. Pode ser aplicado em qualquer mídia, seja impresso em papel, em embalagem, na tela, em animação, etc.

O designer gráfico é não é artista, mas age como um, passando sentimento para seus trabalhos e capturando a atenção do público para sua mensagem.

Chega a ser seguro dizer que [quase] tudo que você vê, é design gráfico.